domingo, 14 de agosto de 2011

SOBRE O AMOR ENTRE PAI E FILHO


Por Alan Capriles

Quanta saudade sinto de meu pai... Por mais que ele não tenha sido um homem perfeito, ele era meu pai, e eu o amava. Arrependo-me de não ter dito isso a ele, senão uma única vez, pouco antes de sua partida, no leito de um hospital.

"Pai, eu te amo..." Será que era tão difícil dizer isso? Por que eu não disse mais vezes? Por que esperei chegar ao final de seus dias na terra para expressar o quanto eu o amava? E se era verdadeiro meu amor por ele, por que fui tão ingrato e por tantas vezes o desprezei?

Mas agora é tarde demais. Tarde para lamentar pelo que não fiz e pelo que eu não deveria ter feito. Ele não está mais aqui. Resta-me somente as lições, que espero haver aprendido: a de não magoar as pessoas que me amam e a de não esconder o amor que sinto por elas. Mas, principalmente, a lição de meu pai, que me amou até o fim, mesmo sem eu nada merecer.

Em memória de meu pai Fernando Capriles
(Dia dos pais, 14 de agosto de 2011)

11 comentários:

Wendel Bernardes disse...

Alan,
eu tive uma relação complicadíssima com o meu pai. Eu também disse apenas uma vez que o amava, e também o fiz nos últimos minutos de consciência dele.

Mas, embora saiba que tenha errado com ele, Deus me deu a oportunidade de pregar a Palvara pra ele neste mesmo último momento de lucidez antes de sua morte.

Sei que pra nós não adinata muito. Hoje vejo meus dois filhos e fico imaginando como tudo seria diferente... ainda mais numa data dessas.

Mas posso te falar? Creio que essa oportunidade de fazer diferente tanto com os meus muleques, quanto de dar toques pra outros Wendels e Alans é o que me motiva hoje!

Pra ele (meu pai) não fará mais diferença, agora ele tá com o Pai, mas pros meus, fará!

Bem, eu sei que você está 'careca' de saber disso, mas me deu uma grande vontade de compartilhar isso com você!

Feliz dias dos pais, meu amigo!

GERALDO CARDOSO DE ALMEIDA FILHO disse...

Parabéns pelo dia dos pais, afinal ser pai é um privilégio,concedido pelo criador.Que Deus continue abençoando você e sua família.

GERALDO CARDOSO DE ALMEIDA FILHO disse...

Parabéns pelo dia dos pais, afinal ser pai é um privilégio,concedido pelo criador.Que Deus continue abençoando você e sua família.

Alan Capriles disse...

Obrigado, Wendel. Foi muito importante você compartilhar isso comigo. Espero que nossas experiências, aqui confidenciadas, despertem outros filhos a expressar o amor que sentem por seus pais. E vice-versa! O mais importante é que aprendemos a lição.

Um forte abraço, querido amigo!

(E feliz dia dos pais!)

Alan Capriles disse...

Querido irmão Geraldo,
Agradeço muito pelo carinho. Também lhe parabenizo pelo dia dos pais, concordando plenamente com você: ser pai é um privilégio. Particularmente, só consegui entender o amor de Deus, depois que me tornei pai. E isso é indescritível! Que Deus também abençoe cada dia mais a você e sua família.
Um forte abraço,
na graça e paz do Senhor Jesus!

Rodrigo Capriles Smith disse...

Querido Primo,
Nossos pais estarão sempre aqui, personificados naquilo que tentamos ser, todos os dias. Meu Tio certamente hoje estufa de orgulho seu peito ao ver (de onde quer que esteja) seu filho ser honesto, justo, humano e bom.

A maior lição é tentarmos ser o melhor!
Ser ou nao ser nunca foi a questão aqui!

Feliz dia dos Pais

Alan Capriles disse...

Valeu, primão!

Te amo!

Cláudio Nunes Horácio disse...

Meu amigo: já pensou que a grande maioria faz exatamente isto com O Pai? Pois as nossas atitudes erradas e egoístas em nada mudam o Amor do Pai. Já pensou que talvez O Pai nos deu o privilégio e as dores de sermos pais para que O entendêssemos? Já pensou que TODOS fizemos como você narra que fez? A imensa maioria nem ao menos disse eu te amo uma única vez ao pai. Será que isto mudou o amor de algum pai terreno? Creio que não! Olha, como eu disse no meu livro, estamos aqui para nos desenvolvermos no amor. Se antes você não tinha esta consciência e que aliás eu também não tinha, hoje louvamos a Deus por tê-la adquirido. Eu fui ingrato com meu pai, não fui um bom filho. Hoje minhas filhas são ingratas comigo e não são boas filhas, e daí? A vida ainda não acabou, ainda não fomos aperfeiçoados totalmente no Amor, estamos engatinhando. O tapeceiro não terminou sua linda tapeçaria em nós. O importante não é o que fomos, é o que seremos. Alegre-se comigo que fui um filho horroroso e que estou tendo a oportunidade de ser um bom pai. Lá no útero do Eterno, no destino final, seremos todos como deveríamos ter sido sempre, e teu pai e o meu pai e eu e você e todos, saberemos que nada do que passou era o padrão, mas que agora, (no futuro eterno), somos semelhantes a Ele. Saudade sim, tristeza jamais! Sei que o sorriso do teu pai e exatamente igual ao sorriso do Pai quando você se rendeu a Ele. Afinal, você escreveu seu post de coração prostrado em humilde reverência, reconhecendo seus erros, e mostrou explicitamente ter aprendido com eles. Fique na paz do Nosso Senhor Jesus Cristo. Abraços.

Alan Capriles disse...

Cláudio, meu amigo, seu comentário é lindo demais! Cheio de grandes verdades. Penso exatamente como você, especialmente pensei nisso que você muito bem colocou:
"O Pai nos deu o privilégio e as dores de sermos pais para que O entendêssemos"
De fato, eu só comecei a entender um pouco melhor o amor de Deus depois que me tornei pai. Imagino que seja assim com todos.
Tem mais uma frase lapidar em seu comentário, e que também está em seu livro:
"estamos aqui para nos desenvolvermos no amor".
Se todos entendessem essa simples, mas profunda verdade, o mundo seria muito diferente.
Um forte abraço,
na graça e paz de Jesus!

Silvio disse...

Shalom meu querido pastor!

Que mensagem linda! Realmente um testemunho tão verdadeiro para todos nós, ou, pelo menos, para a grande maioria das pessoas. Por que será que assumimos que os nossos entes queridos sempre estarão conosco, e, por vezes não damos o valor necessário? Mesmo que seja em um simples "eu te amo"...?

Obrigado pelo carinho da mesagem que o senhor deixou em meu blog - sinto-me honrado de poder ajudá-lo no que for possível em sua aprendizagem.

Um forte abraço de Israel, com todo o carinho.

Silvio

Alan Capriles disse...

Shalom, Silvio!

Realmente é para mim um grande mistério isso que você mencionou. Quantas vezes é mais fácil tratar melhor um desconhecido do que nossa esposa, ou filhos! De minha parte, tenho pedido muito a Deus que eu consiga viver o evangelho, começando pelo meu próprio lar, do contrário eu seria o pior dos hipócritas.

Aproveito para enviar uma saudação aos meus irmãos em Israel, terra que ainda sonho conhecer.

E um forte abraço a você, amigo
na graça e paz do Senhor Jesus!