quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O BEIJO DE JUDAS DO "NOSSO" CRISTIANISMO

Por Huberto Rohden

E Jesus morreu condenado pelos dois poderes máximos do século, o poder religioso de Israel e o poder político-militar do Império Romano.

Com a morte de Jesus, parecia o cristianismo definitivamente extinto – mas estava mais vivo do que nunca; em vez de uma dúzia de discípulos do Cristo, surgiram milhares em todos os pontos do Império Romano: Europa, Ásia e África. Realmente, “o sangue dos mártires era a semente de novos cristãos”, como se dizia naquele tempo. [...]

Finalmente, em 64, o imperador romano Nero iniciou uma perseguição por atacado, decretando por lei a matança de todo e qualquer discípulo do Cristo. Depois de algum tempo, não havia mais um cristão sobre a face da terra – mas debaixo da terra havia muitos: no fundo das catacumbas de Roma continuavam a germinar os discípulos do Cristo, e tão firmemente enraizados estavam eles nesses subterrâneos que três séculos de inauditas violências não valeram exterminá-los. O cristianismo subterrâneo era mais vivo e vigoroso que o próprio cristianismo terreno. O Jesus morto na superfície da terra continuava como o Cristo vivo debaixo da terra, e ressuscitava sempre, contra todas as proibições dos poderes anti-crísticos, religiosos e civis.

Finalmente em princípios do quarto século, o primeiro imperador romano pseudo-cristão, Constantino Magno, resolveu mudar de tática e de estratégia: convencido de que a política de violência não podia matar o Cristo e seu Reino, passou da violência aberta de Caifás, Pilatos, Nero e Diocleciano, para a traição disfarçada de Judas Iscariotes: “Aquele a quem eu beijar esse é – prendei-o!”. Beijou o Cristo com um beijo de Judas e o jogou às mãos de seus piores inimigos. Pelo edito de Milão de 313, Constantino proclamou a liberdade do cristianismo e o fez religião oficial do Império Romano. Se o Cristo não fosse mesmo imortal, teria morrido de vez com esse beijo de Judas: “Amigo, com um beijo tu atraiçoas o Filho do Homem?”

Constantino Magno injetou ao cristianismo os piores venenos – e não conseguiu matá-lo [isto é, matar os verdadeiros cristãos]; deu-lhes três presentes gregos: armas, política e dinheiro; armas – para matar seus inimigos; política, para enganar seus amigos; e dinheiro – para comprar e vender consciências.

Mas, nem com esse tríplice veneno concentrado o [verdadeiro] cristianismo morreu, porque estava imunizado pelo Cristo. [...]

A partir do século IV até o século XX [e agora, século XXI], tem-se repetido inúmeras vezes essas tentativas de envenenamento do [verdadeiro] cristianismo por parte dos [falsos] cristãos, mas inexplicavelmente, a traição do Cristo por parte dos [falsos] cristãos foi tão ineficaz como a violência contra Jesus por parte de judeus e pagãos. [...] Persiste e sobrevive sempre o Cristo imortal, não em nossas organizações sociais, mas nas almas individuais cristificadas. [...]

Na idade média a traição a Jesus atingiu o apogeu da sua perversidade: No tempo das Cruzadas, milhares de pagãos foram trucidados em nome do Cristo; milhares de [verdadeiros] cristãos foram assassinados pela Inquisição em nome de Deus. [...]

Com o reconhecimento da parte duma chamada igreja cristã estava oficialmente abolido o espírito do Cristo, estava a bandeira do Cristo hasteada sobre o quartel-general do Anti-Cristo [...] enganando a milhões e milhões de almas sinceras em busca do Cristo.

“Guias cegos guiando outros cegos... vós roubastes a chave do conhecimento do reino de Deus; vós mesmos não entrastes,nem permitis que outros entrem.”

Hoje em dia, é quase impossível encontrar o Cristo no cristianismo; quem não encontra o Cristo fora do nosso cristianismo, dificilmente o encontrará.
________________________________

Huberto Rohden
Extraído de “O Drama Milenar do Cristo e do Anti-Cristo” - Editora Alvorada.
O título desse artigo e as palavras entre colchetes não constam da obra de Rohden, mas foram acrescentados para facilitar a compreensão do texto, não ferindo seu sentido original.

8 comentários:

disse...

. O cristianismo subterrâneo era mais vivo e vigoroso que o próprio cristianismo terreno. O Jesus morto na superfície da terra continuava como o Cristo vivo debaixo da terra, e ressuscitava sempre, contra todas as proibições dos poderes anti-crísticos, religiosos e civis.

Maravilha de texto hein?? Paz!

Alan Capriles disse...

Oi, Rô! É muito bem tê-la por aqui!

Sim, também achei esse texto sensacional. Na verdade, todo o livro é excelente, mas o conteúdo precisa ser lido com cuidado, examinando-se tudo, retendo apenas o que é bom - como esse trecho, que você também gostou.

Graça e paz!

Rosimary disse...

Graça e paz Pr.Alan,como no 1º século onde o cristianismo sobreviveu fora do sistema e por isso prosperou,hoje também ele está mais forte fora do sistema institucionalizado,não dentro de catacumbas,mas dentro de lares cristãos,onde um povo forte tem surgido e se fortalecido no Cristo da cruz.Sempre haverá um remanescente fiel que não se corrompe.Gléria e Deus por isso.Abraços de sua irmã e ovelha virtual.

Wendel Bernardes disse...

Concordo com seu comentário Alan,
a obra do Rohden, embora muito rica em vários sentidos, é tendenciosa pra caminhos 'espiritualistas'.

Já li o (excelente livro) Pascal, escrito por ele, e que teria a função de servir de biografia. Na verdade Rohden o faz, pincelendo outras vertentes.

Mas sobre o texto acima, concordo em cada frase, mesmo com todas as sutilezas que o envolvem!

Parabéns pela publicação do mesmo!

Cláudio Nunes Horácio disse...

Amigo, estes conteúdos tem vindo a tona a cada dia mais. Creio que há algo espiritual por trás disto. Vejo Deus nos despertando. Paz.

Daniel Januário disse...

Ah , como lembro-me de que seria assim . Nos últimos dias ( a época atual ) surgiriam tanto tipos de pessoas mais perversas do que das gerações anteriores por causa do crescimento da iniquidade dito pelos lábios de nosso Supremo Pastor , e que no meio disto tudo antes do aparecimento do Anti-Messias , haveria a grande apostasia daqueles que tatearam a salvação em Cristo . Por tatearem e não alcançarem o objetivo que era serem salvos , apostataram do caminho correto , andaram por um pouco de tempo conosco , mas não era dos nossos , por que se fossem estariam conosco , isto acontece para que se manifestem que nem todos, são dos nossos .Assim apostataram por que não era dos nossos .
Lembro-me de uma música antiga , mas com uma letra que exorta , assim diz :
"Oh meu Deus me guarde.
Dos homens que virão, falando em teu nome com uma nova pregação.
Oh povo de Deus, é chegado o dia, dos falsos profetas, com uma nova profecia.
É preciso estar alerta, desperta igreja, pra que não seja levada, por uma estrada errada, que não é a de Deus......"

Mas ainda existe esperança , pois nosso Senhor que conhece os seus , tem despertados os seus para se reunirem pouco a pouco , como se faziam antes de Constantino .

Boa abordagem amado Alan do tema .

Alias ainda espero aquele Material ein rsrs

Alan Capriles disse...

Claúdio, meu amigo, tenho percebido a mesma coisa. Estamos passando por um despertamento. Creio que o cristianismo de Constantino está com seus dias contados. Minha oração é para que o verdadeiro evangelho seja compreendido e praticado, para glória de Deus e salvação dos homens.

Um forte abraço!

Alan Capriles disse...

Amado Daniel

Como disse o Cláudio, "Deus está nos despertando"! E, nesse despertamento, ainda há uma longa jornada pela frente, na qual precisamos de muita humildade, vigilância e total dependência do Espírito Santo. São muitos os perigos de nos desviarmos da verdade, em busca dessa mesma verdade. O inimigo sabe disso e certamente está nos rondando, a fim de nos enganar. Muito boa a letra do louvor que você mencionou. Estejamos alertas!

Graça e paz!

p.s.: Sobre o material, tenho demorado em lhe enviar porque estou preparando todos os recursos necessários de uma forma que possa ser enviado pela internet. Contém vídeos também, nos quais estou trabalhando na edição. Por favor, peço que me ajude em oração. É uma grande responsabilidade.