sábado, 2 de outubro de 2010

VERDADE NÃO É PERVERSIDADE

Resposta em consideração à apóstola Valnice Milhomens
Por Alan Capriles
Estou sendo acusado de perversidade por divulgar um vídeo no qual Sirkis declara que Marina Silva é 100% a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A apóstola Valnice Milhomens, pela qual tenho enorme respeito e amor em Cristo Jesus, acaba de escrever-me mais um e-mail, agora comentando o artigo intitulado "Marina Silva é 100% a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo".

Eis o que a apóstola escreveu:

“Você deveria colocar as palavras de Marina e não de outro em seu lugar. Querer impingir a outro o que está longe de ser sua posição é no mínimo perverso.”
Para que ninguém pense que estou distorcendo a verdade, quero lembrar que o discurso de Alfredo Sirkis ocorreu na Convenção Nacional do Partido Verde, no dia 10 de Junho de 2010, que oficializou Marina Silva como candidata à presidência pelo PV. Sirkis discursou antes de Marina, pela manhã. Se o que Sirkis disse era mentira, porque Marina Silva não o fez calar? No mínimo, deveria tê-lo corrigido.

Só para lembrar: Alfredo Sirkis é vice-presidente do Partido Verde e suas palavras foram: “Marina está 100% de acordo” com o “reconhecimento do direito civil a pessoas do mesmo sexo de terem rigorosamente os mesmos direitos que são conferidos legalmente por um matrimônio civil na sociedade brasileira.” E, para que não restem dúvidas de que ele está falando de casamento em cartório, Sirkis afirma: “Então, a união civil estável entre pessoas do mesmo sexo é o matrimônio civil entre pessoas do mesmo sexo.” E depois conclui o assunto dizendo: "Marina é a favor da união civil entre pessoas do mesmo sexo.” O vídeo com estas declarações está no artigo anterior a este.

Mas em consideração a apóstola Valnice Milhomens, por quem tenho grande respeito, e para que não restem dúvidas de que Marina Silva é favorável ao casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, nada melhor do que a própria candidata expondo democraticamente sua posição. Talvez agora não me acusem mais de perversidade. Preste bastante atenção. São as palavras de Marina, e não de outro:


Você prestou BASTANTE ATENÇÃO? O que fica mais do que claro neste vídeo é que Marina Silva é contra o “sacramento” matrimonial entre pessoas do mesmo sexo, mas NÃO É CONTRA o casamento civil para elas. Ou seja, ela é contra obrigar o padre ou pastor a darem a bênção, mas não é contra o pecado da prática homossexual ser institucionalizada.

Tenho que concordar com Charles Finney, que a quase dois séculos atrás já dizia: “Nenhum homem comprometido com um partido pode ser inteiramente honesto. Um cristão pode fazer isso e manter a consciência limpa?”

Por isso, não estou aliado a nenhum partido político. Quero deixar claro: NÃO ESTOU FAZENDO CAMPANHA PARA NINGUÉM.

Nunca coloquei candidato no altar de nossa igreja para discursar. Nunca fiz do altar um palanque eleitoral. Nunca recebi um centavo para convencer ninguém a mudar de voto. E nunca pedi nada a ninguém em troca de apoio. Nunca. Minha consciência está tranqüila. Graças a Deus.

Mas não posso me calar sabendo que irmãos na fé estão equivocados quanto a posição de Marina Silva nesta questão. Tenho muitos amigos que pretendem votar na Marina, e que tem o direito de saber que ela é a favor do casamento civil entre homossexuais.

Se os evangélicos querem que o CASAMENTO CIVIL entre pessoas do mesmo sexo seja legalizado, votem na Marina! Afinal, ela fala muito bem, se veste como crente e tem ótimas propostas. Mas, não esqueçam:

“Cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus.”
(Romanos 14:12 RA)

4 comentários:

disse...

Serra é contra? Dilma é contra Alan?
Quais partidos são contra? quem pode ir contra as proposta do seu partido sem ser expulsa? Me mostre um que é contra os direitos civis??

René disse...

Amado Alan,

Entendo que está havendo um equívoco geral, sobre essa lei. A união civil, nela proposta, é para resguardar direitos recíprocos de quem vive com outra pessoa. Isto não se refere a matrimônio, é união civil estável.

O casamento, conforme o entendimento bíblico, é a união marital entre homem e mulher. Na Palavra, não existe nem a indicação de que isso seja escriturado, ou instituído pela Igreja. As bodas são, apenas, a comemoração pelo ato já consumado. Todo o cerimonial que conhecemos hoje é totalmente de origem pagã.

Essa lei, se for aprovada (e creio que será), não poderá impingir à Igreja nada que ela não queira fazer. E é uma lei de "César", para seus "súditos". E, como disse Paulo, as pessoas que escolhem viver dessa forma, recebem em si mesmas as conseqüências de seus atos. O apóstolo tocou diretamente no assunto e não recomendou nenhuma atitude da Igreja, contra tais pessoas.

Ainda que pessoas escolham viver com parceiros do mesmo sexo, enquanto tiverem vida, terão a chance de conheceram a Cristo, se submeterem a Ele, e então viverem o Seu Reino. E é aí que nós entramos: como instrumentos na mão do Senhor, para que Ele faça a Sua vontade através de nós.

Portanto, se Marina, ou eu, ou você, chancela a promulgação da lei, não estaria instituindo a promiscuidade, que na realidade já existe. Na verdade, estaria permitindo que "César" usasse de benevolência com quem depende dele. Nós não dependemos dele! Nosso Rei é outro!

Grande abraço e continue na Paz!

Alberto Couto Filho disse...

Olá Alan

Disse-lhe que viria e cá estou.
Gostei do que vi,e já estou seguindo seu excelente espaço.

Em meio a tanta desinteligência vou ficar com a observação de que o Nosso Rei é outro.
Vivencie a paz dEle.
Seu conservo nEle.
Alberto Couto Filho

Alan Capriles disse...

Prezado irmão Alberto

Agradeço muito. Seus comentários certamente enriquecerão muito este humilde espaço, como já o está enriquecendo.

Um forte abraço!