sábado, 16 de julho de 2011

SOBRE MESTRES E GURUS

“Julgai todas as coisas, retende o que é bom”
(1 Tessalonicenses 5:21)
Por Alan Capriles

Um dos maiores benefícios da internet é a facilidade com que temos acesso à informação e ao conhecimento. Não somente podemos estar mais bem informados a respeito de qualquer assunto, como também conseguimos acesso ao pensamento de pessoas influentes, que se deixam conhecer por meio de seus sites, blogs, canais de vídeo, ou simplesmente por seus “provérbios” compartilhados no twitter. Confesso que isso é o que mais me atrai na rede, a possibilidade de conhecer personalidades com diferentes pontos de vista, sobre os mais variados assuntos, além da possibilidade de fazer amigos incríveis.

Como amante que sou das coisas de Deus, procuro navegar pelos mares da teologia, mergulhando o máximo possível na compreensão que as mais diversas pessoas têm acerca de Jesus e da boa nova do reino de Deus.

Nessa busca por conhecimento, tenho tido a felicidade de aprender com os mais diferentes discípulos de Cristo, o que tem contribuído muito para o meu crescimento espiritual. Quando estamos abertos para ouvir o que o outro tem a dizer, com a mesma disposição que o Senhor Jesus tinha para escutar o próximo, torna-se possível aprendermos até com os erros alheios, desde que não desprezemos alguém somente porque pensa diferente de nós em algum ponto.

E, de fato, temos em Jesus nosso maior exemplo. Ele dialogava com os mais diversos tipos de pessoas, sem fazer discriminação de qualquer natureza. Conversava com ricos e pobres, com judeus e samaritanos, com velhos e crianças, com fariseus e prostitutas, com escribas e analfabetos. E não lhes impedia de se expressar, pelo contrário, interessava-se até por ouvir como cada um interpretava as Escrituras (Lc 10:26). Quando os corrigia, fazia-o por amor, não com ódio, pois buscava que se salvassem das trevas da ignorância acerca de Deus e da realização de sua vontade.

Seguindo esse exemplo de Cristo, coloco-me aberto ao diálogo, mas tendo por árbitro a palavra de Deus, como fizeram os irmãos de Beréia. Desta forma, tenho crescido espiritualmente com pessoas que são, às vezes, completamente opostas entre si. Entre estas, lembro-me de alguns nomes, os quais relaciono a seguir. A lista encontra-se em ordem alfabética, a fim de que não pensem haver “guru” entre aqueles que ouço e com os quais, se possível, mantenho diálogo. São eles:

Ariovaldo Ramos, Augustus Nicodemus, Bill Hybels, Bono Vox, Brian D. McLaren, Caio Fábio, Cláudio Nunes Horácio, Ed René Kivitz, Hernandes Dias Lopes, Irmão Rubens, John MacArthur, John Piper, Mark Driscoll, Mike Murdock, Paul Washer, Paulo Brabo, Paulo Romeiro, Ray Comfort, René Burkhardt, Ricardo Gondim, Rick Warren, Russel Shedd, Silas Malafaia, Tim Conway, Tito Oscar, Walter McAlister.

Dentre os que já não estão entre nós, mas cujas vozes continuam reverberando na internet e me trazendo edificação, preciso mencionar David Wilkerson, que partiu recentemente, Leonard Ravenhill, Martyn Lloyd Jones e Roberto McAlister, que foi meu primeiro pastor.

Talvez alguns nomes da minha lista surpreendam você. Por exemplo, se sou contra a teologia da prosperidade, (e sou mesmo contra!) o que Mike Murdok e Silas Malafaia estão fazendo ao lado de John Piper e de Hernandes Dias Lopes? E o que Bono Vox e o Irmão Rubens têm a nos ensinar? Ou ainda, como posso aprender com calvinistas e arminianos ao mesmo tempo?

A resposta é muito simples. Quando temos a mente de Cristo, que não é discriminatória, podemos aprender até mesmo com pessoas completamente opostas em sua teologia ou cosmovisão. Isso porque ninguém está sempre certo que não possa se equivocar, ou completamente errado que não tenha algo a nos ensinar. Infalível mesmo, somente a palavra de Deus, a qual procuro examinar todos os dias, conferindo se as coisas são, de fato, assim como eles dizem.

De forma que essa é a minha lista. Ela engloba pessoas com as quais aprendi algo no passado, ou tenho aprendido algo no presente, pois o crescimento espiritual é um processo. Por isso, ela contém alguns nomes que já não me dizem quase nada, mas que me serviram como ponte para chegar onde estou. Tenho a expectativa de que, da mesma forma, outros me ajudem a ir ainda mais longe, ou seja, viver bem mais perto do Senhor e do próximo.

Sendo assim, minha lista não é uma relação de pessoas perfeitas, mas de imperfeitos que, como eu, podem ajudar alguém a entender uma pequena parcela do Todo; pessoas que talvez nem tenham a pretensão de ser mestres, mas com as quais tenho aprendido alguma coisa. Por isso, sou grato a cada um deles, ainda que eu não concorde com tudo que dizem.

Bem, essa é minha lista. Que tal fazer também a sua? Só espero que sua lista não seja composta por um único nome, como se a luz de Cristo não pudesse refletir-se também por outras mentes. É lamentável quando pretensos seguidores de Jesus não compreendem que Deus pode nos ensinar através de todos os cristãos e passam a fazer de alguém o seu guru, a quem obedecem cegamente.

Lamento também por aqueles que retiram determinado nome de sua lista, somente porque não aceitam seu ponto de vista, como se fosse proibido pensar diferente. E assim a lista vai ficando cada vez menor, para caber numa mente que talvez esteja estreita demais.

Mas, por outro lado, reconheço que nem todos têm o conhecimento bíblico necessário para julgar todas as coisas e reter somente o que é bom. Aliás, um novo convertido não deve mesmo se aventurar a fazer isso. Portanto, se for o seu caso e você tiver que escolher apenas um nome para ouvir, aceite meu conselho: escolha Jesus Cristo, nosso único e infalível Mestre, cujo nome está muito acima de todo nome.

A Ele, e somente a Ele, toda a glória, eternamente. Amém.

“Vós, porém, não sereis chamados mestres, porque um só é vosso Mestre, e vós todos sois irmãos.” (Jesus Cristo - Mt 23:8)

7 comentários:

René disse...

Alan, querido amigo,

Eu não sentaria à mesa com alguns dos que você incluiu em sua lista, mas sei que não é sobre isto que você está falando. Você fala sobre aprendizado, sobre edificação pessoal, e, neste sentido, eu não poderia fazer uma lista, porque esta seria imensa e conteria todas as pessoas que conheço.

Tendo a Palavra como prumo, entendo que aprendemos com todas as pessoas, seja para imitar a atitude de alguém, seja para evitar agir como esse alguém.

Como Paulo, creio que todas as coisas, inclusive pessoas, cooperam para o bem daquele que ama a Deus. A própria ação do Diabo em nossas vidas é usada por Deus para a nossa edificação (lembra de Jó?). Por isto, não estranho você citar ícones da teologia da prosperidade em uma lista de pessoas que ajudaram na sua edificação, mesmo sabendo que você é avesso a essa teologia. Também sei que você os cita em sua lista, no entanto nunca os recomendaria como exemplos a serem seguidos, porque não o são. E este é o aprendizado que podemos ter com eles, ou seja, o de como não agir na qualidade de seguidores de Jesus.

Gosto muito do versículo que você usou para fechar a postagem! Ele nos faz lembrar que, ainda que alguém tenha um determinado dom (neste caso, o de mestre), ninguém deve ser chamado pelo título, porque tal dom vem do Espírito de Cristo, que é tudo em todos!

Sua mensagem para nos desarmarmos dos preconceitos em nossa caminhada, para podermos ser ainda mais aperfeiçoados, é essencial e verdadeira!

Forte abraço e continue na Paz!

Alan Capriles disse...

René, eu não poderia deixar de citar seu nome. Tenho aprendido muito com você. Apesar de nem sempre comentar seus artigos, muitas vezes é porque nem preciso dizer mais nada.

É bem verdade que, como você mencionou, nós aprendemos com todos. Mas minha lista é pequena porque cito somente aqueles com quem mais tenho crescido espiritualmente, ou aqueles que me ajudaram a entender algo que foi importante para seguir em frente.

Quanto aos ícones da teologia da prosperidade, mais uma vez você acertou em cheio: eu nunca os recomendaria! Mas outras coisas que eles disseram foram de grande ajuda em minha caminhada e seria injustiça não citá-los.

Como sempre, seus comentários enriquecem muito meus artigos. Como já lhe disse, ainda quero ver seus livros editados e entre os mais lidos. Nosso amigo Cláudio já está até com a capa do livro dele terminada! Também tenho aprendido muito com ele.

Espero que todos compreendam minhas palavras tão perfeitamente quanto você. Que as pessoas se desarmem de seus preconceitos, a fim de que possam ser ainda mais aperfeiçoadas em Cristo.

Um forte abraço, meu querido amigo,
na graça e paz de Jesus!

P.s.: Será que o Cláudio vai ficar chateado de eu ter colocado ele "sentado à mesa" com Silas Malafaia e Mike Murdock? Espero que não!!! rsrs...

Daniel Januário disse...

A diversidade de pessoas que falam da Palavra de Deus tanto na mídia quanto fora da mídia tem tanto o lado bom quanto ruim . Mas com todos eles se aprendem algo , seja o que tenham dito seja bom ou mau , pois se não fosse assim dificilmente aprenderíamos diferenciar o santo do profano . O Silas Malafaia por exemplo já disse boas coisas e ainda pode dizer e quem sabe um dia pela misericórdia de Deus não mais falar sobre a prosperidade de forma enfática .
John Piper , Paul Washer , Mark Driscoll , Mark Kielar , Ed René Kivitz , Ricardo Godim , Yago Martins , John MacArthur ,Charles Spurgeon ,Jonathan Edwards , Martinho Lutero ,Calvino , R.R Soares , são estes e outros pregadores na qual já muito ouvi e dou graças a Deus pelo que de bom se pode reter de cada um para conhecer mais a Jesus , hoje em dia não são todos estes que acompanho em ouvir com frequência como fazia , no caso o Silas e o R.R . O Mark Driscoll as vezes brinca demais ,mas sempre que eu o ouço retenho o que ele coloca seriamente .Bom estes são alguns nomes que deixo e o comentário hehe .

Deus os abençõe amados irmãos .

Alan Capriles disse...

É isso aí, Daniel!

Agradeço por compartilhar sua lista. Nela encontro alguns nomes que ainda não conheço bem, como Mark Kielar e Yago Martins. Vou conferir.

Um forte abraço,
na graça e paz do Senhor Jesus!

João Dórea disse...

Pr. Alan quanto tempo! gostei muito do seu texto particularmente o assunto aboradado.

Precisamos conhecer sem precisar aparecer!

fica na paz de Cristo

Rosimary disse...

Graça e paz Pr.Alan

Quando se fala de mestres cristãos sempre devemos ter em mente que nem todos são realmente mestres,alguns são apenas oradores,pessoas que com algum conhecimento tenta arrebanhar outros,os verdadeiros mestres mesmo quando falam de algum assunto polêmico,faz com que as pessoas avaliem-se e procurem discernir se naquilo tudo que foi dito têm de fato alguma verdade embutida,nestes 15 anos de cristianismo sempre surpreendo-me com a capacidade que temos em aprender a cada dia,no último ano foi através de alguns destes que o senhor mencionou em sua lista,que revi meus conceitos e mudei-os em muitos pontos,“mestres são aqueles que recebem de Deus um dom especial para esclarecer, expor e proclamar a Palavra de Deus”.

Alan Capriles disse...

Graça e paz, Rosimary!

Fico feliz com seu comentário e concordo plenamente com ele.

Apenas devo enfatizar (principalmente para outros leitores) que não chamo de mestres as pessoas com as quais aprendo, mas apenas de discípulos de Cristo. Mas concordo com sua frase: “mestres são aqueles que recebem de Deus um dom especial para esclarecer, expor e proclamar a Palavra de Deus”.

No entanto, acho importante esclarecer que eu mesmo não chamo a ninguém de mestre. Apenas reconheço que Deus lhe deu um dom, que talvez tenhamos, e que pode nos dar outros, que eles talvez não tenham. Tudo vem de Deus e é para glória do próprio Deus.

Apesar do título de meu artigo, não chamo a nenhum nome de minha lista por mestre, ou guru, mas os vejo apenas como discípulos de Cristo, com os quais mais tenho aprendido ultimamente, ou no passado.

Agradeço por seu comentário, que me deu oportunidade para esclarecer isso.

Que Deus lhe abençoe cada dia mais!