terça-feira, 4 de junho de 2013

PERGUNTAS INCÔMODAS

Por Alan Capriles
“Se você for uma pessoa que busca realmente a verdade,
é necessário que ao menos uma vez na vida duvide de todas as coisas, 
da maneira mais profunda possível.”
 - René Descartes

Não é meu propósito ofender a religião de ninguém. Imagino que muitos não gostariam de ver suas crenças religiosas questionadas e compreendo isso perfeitamente. Se for o seu caso, aconselho que você interrompa essa leitura por aqui. Especialmente se você for cristão.

Mas, se você prosseguiu, talvez não seja um fanático religioso. Talvez você não tenha problemas em questionar aquilo em que até hoje se esmerou em crer. Talvez você não seja como a maioria, que se contenta (ou finge se contentar) com certos dogmas da sua fé. Talvez você já tenha percebido que alguns dogmas, não raras vezes, são incoerentes e até mesmo absurdos.

Talvez sim, talvez não...

Mas, independente de quem seja você, o fato é que qualquer ser pensante encontra dificuldade com certas doutrinas religiosas. E exatamente por não fazerem sentido algum! Por esse motivo insisto na tese de que a religião é a maior geradora de ateus que existe. Richard Dawkins, um dos expoentes do neo-ateísmo, afirmou:

“Uma das coisas que está errada na religião é que ela nos ensina a estar satisfeitos com respostas que não são respostas de verdade.”

Lamento dizer, mas Dawkins está correto em afirmar isso.

Não pense que sou ateu. Não sou ateu. Mas não foram doutrinas religiosas que me fizeram crer em Deus e sim as experiências pessoais que tive ao buscá-lo. Isso não significa que eu duvide da Bíblia, ou que negue a importância das comunidades que celebram sua fé. Pelo contrário! Eu, particularmente, sou discípulo de Jesus e nEle tenho encontrado minhas respostas.

O meu questionamento está na interpretação incoerente que muitos fazem de uma escritura que acreditamos sagrada. Ora, se é sagrada não pode ser incoerente, porque Deus não é irracional. Logo, o problema não deve estar na Bíblia, mas na leitura preconcebida que fazemos dela, partindo de pressupostos idealizados por uma teologia deformada.

Mas não tratarei de respostas ou análises aqui. Não agora. Por enquanto, somente perguntas.

A seguir apresento uma série de incômodas questões. Estou abrindo meu coração aqui. É muito provável que cada uma dessas perguntas já tenha lhe ocorrido. E outras mais! Talvez você as tenha guardado para si mesmo, por medo daquilo que os outros iriam pensar, ou talvez tenha sido intimidado pela imposição de um sistema religioso. Eu mesmo permaneci calado por muito tempo. Muito mais tempo do que eu gostaria de admitir. Mas hoje estou totalmente convencido da importância de se questionar. Acredito firmemente que a verdade só pode ser encontrada dessa forma, por meio de perguntas. Não pense que é pecado questionar, pois o próprio Cristo questionava, permitia ser questionado e motivava as pessoas a pensar. E não poderia ser de outra forma, pois assim como as nuvens jamais afetarão o sol, nossas perguntas jamais ofenderão a Deus. Aliás, foi Ele mesmo que nos deu esse maravilhoso dom, o dom de pensar...

Então, pensemos um pouco:

- O que será daqueles que nasceram antes de Cristo? Se somente Jesus salva, por que Deus o teria trazido para a história humana tão tardiamente?

- E quanto aos trilhões de seres humanos que morreram em outra religião, ou sem religião, por que jamais ouviram falar de Jesus? Não há qualquer possibilidade de salvação para eles?

- Deus permitiria que a salvação da alma de uma pessoa dependesse de outra, ou seja, de alguém que precise chegar a tempo de falar de Jesus para ela? E se não chegar a tempo? E se evangelizar erradamente, como costuma acontecer?

- Se somos salvos por um assentimento intelectual da fé (confessionalismo), o que será da alma de alguém com retardamento mental, incapaz de compreender as doutrinas de uma religião? Tais pessoas estão condenadas a perecer no inferno?

- Se toda pessoa nasce em pecado, perdida (como muitos cristãos ensinam), por que Deus permite a morte de bebês? Haverá choro de bebês no inferno?

- Por que Deus castigaria pessoas a um sofrimento eterno (sem fim!) por causa de pecados cometidos em tão poucos anos de existência? Tamanha punição não parece terrivelmente exagerada, injusta e incompatível com um Deus que é justo e amoroso?

- Como poderei ser feliz no céu sabendo que há pessoas sofrendo no inferno?

- ...

Bem, a lista não é exaustiva. Fui totalmente sincero, mas precisei deixar outras perguntas de fora. Não tenho a intenção de abalar a fé de ninguém. Apenas me incomoda que perguntas assim não possam ser feitas abertamente. E me assusta pensar que serei chamado de herege somente porque ousei questionar o que a maioria também já se perguntou.

Minha esperança é que você seja honesto consigo mesmo, reconhecendo esses problemas e tendo coragem o bastante para enfrentá-los. Afinal de contas, estamos falando de questões relacionadas a Deus, mas que afetam os homens – questões que afetam você, eu, aqueles que amamos e cada pessoa que vive ou que já tenha passado sobre a terra! Não estou questionando se existe ou não a trindade, ou qualquer outra doutrina sem relevância prática. Se você prestar bem atenção, cada pergunta que fiz é uma questão de vida ou morte. São perguntas assim que justificam a existência de qualquer religião. E, de fato, as religiões cristãs se atrevem a respondê-las. O problema é que as respostas estão longe de ser satisfatórias...

E dizer que a resposta “é um mistério” não é na verdade uma resposta, mas – compreendo – é a única alternativa para quem está preso por seus dogmas. São “respostas” assim que contribuem para o aumento da fileira dos ateus – incluindo ateus religiosos, que lá no fundo de seus corações também rejeitam esse deus que lhes é apresentado.

Penso que já passou da hora de se questionar o absurdo de certos dogmas cristãos. Confrontá-los a luz do que Jesus ensinou nos fará muito bem. Precisamos, urgentemente, fazer uma releitura dos evangelhos. Mas sem as lentes da religiosidade imposta! Digo por experiência própria. Longe de me afastarem de Cristo, meus questionamentos só fizeram me aproximar ainda mais do Salvador. Porque Deus, o verdadeiro Deus, certamente não é assim, incoerente, como a religião impõe que Ele seja. Mas desse assunto tratarei posteriormente. Já tenho minhas respostas. Por enquanto, e para você, somente perguntas... Incômodas perguntas.

Alan Capriles

23 comentários:

HP disse...

Alan,

Já tive essas perguntas, e achei interessante algumas respostas dadas pelo Rev Augustus Nicodemus na parte de comentários do post abaixo:
http://tempora-mores.blogspot.ie/2010/07/pela-fe-somente.html

Um breve resumo:
1 - Todos são pecadores diante de Deus. São filhos de Adão e Eva e portanto debaixo da justa condenação de Deus.

2 - O desconhecimento do Evangelho não desculpa estas pessoas, pois elas serão condenadas por seus próprios pecados e não por terem ouvido e rejeitado o Evangelho. É neste sentido que eu disse que Deus é justo. Ele não condenará o bérbere do Saara por ter rejeitado a Cristo, mas por ter quebrado a lei de Deus gravada em sua consciência e perceptível na revelação natural.

3 - A revelação na consciência e a revelação na natureza são sucifientes para deixar as pessoas indesculpáveis diante de Deus, mas não são suficientes para que elas cheguem ao conhecimento da salvação em Cristo. Isto vem somente pelo Evangelho.

4 - É por esta razão que Jesus mandou que se pregasse o Evangelho a todos, pois sem o Evangelho estarão perdidos. Se os ignorantes serão justificados, a melhor coisa seria, realmente, não lhes anunciar a Cristo, pois então correriam o risco de rejeitá-lo e serem condenados.


--

Agora sobre bebês, há textos na bíblia que mostram que Deus os protege. Assim como se entendermos que todos nós merecemos absolutamente NADA de Deus, o inferno é o nosso destino.

Cristo por amor apenas, predestinou alguns para conhecê-Lo, crê-Lo e assim os salvar.

Nesse caso é a Soberania de um Deus justo e santo, e que nada, absolutamente nada que Ele faça muda o status Dele de justo e santo.

Nós merecemos a morte e o inferno.

O diabo por se rebelar "nunca mais será para sempre". A nós, Deus teve misericórdia em Cristo.

Glórias a Deus eternamente!

Abraços.

HP disse...

As partes bíblicas usadas pelo Rev Nicodemus foram:

"Romanos 5:12-14 Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram. 13 Porque até ao regime da lei havia pecado no mundo, mas o pecado não é levado em conta quando não há lei. 14 Entretanto, reinou a morte desde Adão até Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, o qual prefigurava aquele que havia de vir."

"Romanos 1:18-21 A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça; 19 porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. 20 Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis; 21 porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato."

"Romanos 2:14-16 Quando, pois, os gentios, que não têm lei, procedem, por natureza, de conformidade com a lei, não tendo lei, servem eles de lei para si mesmos. 15 Estes mostram a norma da lei gravada no seu coração, testemunhando-lhes também a consciência e os seus pensamentos, mutuamente acusando-se ou defendendo-se, 16 no dia em que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, de conformidade com o meu evangelho."

"João 14:6 Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim."

"Mateus 11:27-28 Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. 28 Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei.

"Atos 4:12 E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos."

"Marcos 16:15-16 E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. 16 Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado."

"Romanos 10:13-15 Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. 14 Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? 15 E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas!"

Portanto, é nosso dever anunciar a Cristo a todos, em todo lugar e em todo o tempo. Sem Ele, não há salvação.

claudiopimenta disse...

seria interessante algumas respostas ai dos questionamentos

Alan Capriles disse...

Prezado HP

Agradeço imensamente por seu carinho ao escrever tão extenso comentário. Isso comprova o quanto você é sincero naquilo em que acredita.

Admiro o rev. Augustus Nicodemus e compreendo o ponto de vista dele, totalmente comprometido com a teologia reformada. No entanto, nem o texto por ele escrito e nem os reformadores aos quais ele se refere conseguiram responder satisfatoriamente as perguntas que levantei.

Por que não são respostas satisfatórias? Um exemplo: Você escreveu o seguinte: "Deus é justo. Ele não condenará o bérbere do Saara por ter rejeitado a Cristo, mas por ter quebrado a lei de Deus gravada em sua consciência e perceptível na revelação natural."

Pergunto: Que justiça é essa? Isso não dá no mesmo? Esse bérbere do Saara não será condenado de uma forma ou de outra? Segundo a teologia reformada ninguém pode ser salvo por haver seguido a consciência. Então, de que adianta a consciência?!

É justo alguém ser condenado ETERNAMENTE ao inferno por algo que não havia como ele se salvar? Ora, ninguém falou de Jesus para esse suposto bérbere do Saara. Segundo a teologia reformada ele está sim condenado, mesmo nunca tendo tido chance de salvação e mesmo tendo sido um bom marido, pai amoroso e trabalhador honesto por toda sua vida. Isso remete a minha terceira pergunta:

- Deus permitiria que a salvação da alma de uma pessoa dependesse de outra, ou seja, de alguém que precise chegar a tempo de falar de Jesus para ela? E se não chegar a tempo?

Para o susposto bérbere do Saara ninguém chegou a tempo. Azar dele... não é?

Outro exemplo: Você disse que "sobre bebês, há textos na bíblia que mostram que Deus os protege". Eu gostaria de ser lembrado desses textos. Porque, se eles existem, cai por terra a doutrina de que nascemos perdidos. Ou não? E, se não, por que não?

Você percebe a incoerência? Ao mesmo tempo em que você rejeita a ideia de bebes irem para o inferno, você afirma que "o inferno é o nosso destino". Nosso? E dos bebês, não?

E na mesma linha em que você diz que Cristo nos ama você afirma que ele "predestinou alguns para conhecê-Lo". Por que só alguns? Isso equivale a dizer que Deus criou pessoas com o propósito de fazê-las sofrer para sempre no inferno. E, por mais absurdo que pareça, é isso mesmo que a teologia reformada ensina. É claro que alguns são mais moderados que outros, mas no final das contas dá tudo no mesmo: Deus predestinou alguns para a salvação e outros para a perdição. Mas que amor é esse? Que Deus é esse?

Desculpe, mas nenhuma pergunta minha foi respondida. Porque,com certeza, Deus é melhor do que isso que a teologia reformada apresenta.

Mas respeito sua posição e admiro sua franqueza e carinho.

Um forte abraço,
no amor de Jesus!

Alan Capriles disse...

Querido Cláudio Pimenta

Fico feliz com seu comentário que, apesar de curto, foi muito pertinente.

Como o título já anunciava, meu texto trata somente de perguntas. Minha proposta, por enquanto, é promover um debate acerca do assunto e preparar os leitores para outro artigo que virá, intitulado "A Salvação segundo Jesus Cristo".

Um forte abraço,
no amor de Jesus!

HP disse...

Pastor Alan,

Entendo perfeitamente o teu comentário. Há passagens na Bíblia que eu diria que são "difíceis".

Exemplo, em Provérbios 16:4 diz: "O SENHOR fez todas as coisas para atender aos seus próprios desígnios, até o ímpio para o dia do mal." Talvez esta parte responderia o questionamento se "É justo alguém ser condenado ETERNAMENTE ao inferno por algo que não havia como ele se salvar?"

Eu particularmente acho que para algumas perguntas nossas, entramos no campo da Soberania de Deus. Alguns preferem "mistério", mas eu prefiro "soberania". Deus é soberano e nós dependentes em TUDO, absolutamente tudo.

Esses dias pensei sobre "e se um dia me for diagnosticado um câncer galopante? Será fácil eu me aborrecer com Deus, dizendo que 'Ele não foi justo comigo'" Só que imediatamente pensei: "Se a VIDA foi dada por Ele, se Ele me agraciasse com apenas um dia de Vida, eu já deveria ser grato a Ele por isso e não me aborrecer por saber que meus dias estão se aproximando do fim"

Espero que nas dificuldades da vida, Deus me dê serenidade para pensar assim, pois é muito mais fácil e humano se desesperar e se aborrecer com Deus, do que compreender que nossa vida é "um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece" como disse Tiago no capítulo 4:14.

E claro, “com certeza, Deus é melhor do que isso que a teologia reformada apresenta.”

Abraços e ore por mim.
Henrique

Chacon disse...

Hola Alan, nao conhecia seu blog. Gostei do post, mas te digo tenho algumas questoes mais cabeludas. Uma delas por exemplo e: Genesis 6 diz que os filhos de Deus viram que as filhas dos homens era belas e tiveram filhos com elas etc etc. Bom depois disse que haviam gigates etc e tal. Se vc for ver em outros pnts da Bíblia ela se refere a filhos de Deus como seres..., sei lá, que nao sao da Terra, en Jó 1 por exemplo, e em outros pontos que já nao lembro de cabeca. Se voce ler o livro de Enoque vai poder comprovar que os Filhos de Deus eram realmente seres que nao eram da Terra, anjos caídos na verdade. Mas as religioes se apegam que os Filhos de Deus eram homens crentes e os filhos dos Homens nao crentes. Isso sinceramente, para mim nao faz sentido. A Bíblia pe Sagrada, eu creio em Deus e na Trindade, e pergunto, se Enoque foi um homem tao ligado a Deus, e que Deus mandou escreve um livro, por que se livro nao faz parte? E o livro dos Jubileus escrito por Abraao, que cita Melquizedeque e diz que em era e toda a sua história, porque nao está na Bíblia, de onde acham que Paulo conhecia Melquizedeque ao citalos em suas epístolas? Percebe? Grande abraco. Fica com Deus

Alan Capriles disse...

Querido Henrique (HP)

Espero que eu não tenha dado a entender que eu esteja aborrecido com Deus, ou que minha fé nEle tenha diminuído. De forma alguma! Meu problema, reafirmo, está com as respostas que a teologia, de uma forma geral, dá para essas perguntas.

A meu ver, o maior problema com a teologia tradicional é que ela sempre deforma a imagem de Deus, criando um deus absurdo, pior do que a média dos próprios seres humanos poderiam ser.

Pense nisso: Um homem não pode ter mais amor que o próprio Deus teria, porque o máximo de amor que temos é apenas um reflexo dAquele que é a Origem desse amor. Por isso afirmei que "Deus é melhor do que isso que a teologia reformada apresenta" porque essa teologia nos apresenta um Deus que criou alguns para desfrutarem do céu e outros para sofrerem do inferno. E o pior: eternamente! Esse "deus" simplesmente lança no inferno pessoas que nunca ouviram falar de Jesus, que nunca tiveram sequer a chance de se converter a ele. Qualquer ser humano acharia isso uma tremenda injustiça. Ora, se isso é um absurdo pra nós é óbvio que Deus não pode ser assim. Nosso senso de justiça não pode ser mais correto que o do próprio Deus que nos formou. E não vejo como Provérbios 6:4 possa resolver essa questão.

Eu mesmo não tenho a pretensão de saber todas as respostas. Se a teologia simplesmente reconhecesse que não sabemos a resposta eu não teria problemas com ela. Mas o fato é que a teologia não é humilde para reconhecer que não tem as respostas (por enquanto) e teima em apresentar respostas que não respostas de verdade, pois deformam a imagem de Deus, que é amor.

Agradeço imensamente por esse diálogo amadurecido e enriquecedor. Que o amado continue firme em suas convicções, mas desde que esteja sendo honesto consigo mesmo. Um dia a teologia reformada também me satisfez, mas apenas enquanto eu não me aprofundei um pouco mais no evangelho, sobretudo na intimidade com Cristo, nosso Senhor, a quem amo de todo o coração.

Peço que o amado também ore por mim, a fim de que eu possa deixar alguma contribuição positiva como legado para uma teologia que precisa continuar se reformando. Que oremos uns pelos outros.

Um forte abraço,
no amor de Jesus!

Alan Capriles disse...

Olá, Chacon!

A questão que você mencionou não afeta diretamente o caráter de Deus ou o destino eterno da alma, por isso não a considero, particularmente, tão "cabeluda" assim...

Mas creio que sei onde você quer chegar e admito que é uma possibilidade.

Talvez a gente esteja assistindo muito aos programas do History, mas a teoria dos astronautas antigos é apenas uma entre outras tantas levantadas para essa passagem do Gênesis. E talvez seja a mais coerente também... se admitirmos que possa haver vida extraterrestre.

Mas quem sabe um dia eu ainda escreva sobre isso?

Um forte abraço,
no amor de Jesus!

George Gonsalves disse...

Muitas perguntas já me trouxeram angústias. Ainda tenho muitas, mas aprendi a reconhecer a infinitude (e consequente incompreensibilidade) do Deus a quem sirvo e perceber minha pequenez ante tudo o que existe. Como diz um antigo hino: "melhor é saber que Ele sabe por mim". Um abraço.

Alan Capriles disse...

Olá, George!

Também "aprendi a reconhecer a infinitude (e consequente incompreensibilidade) do Deus a quem sirvo". O problema é que nos seminários não se ensina essa humildade, mas respostas insatisfatórias para cada pergunta que levantei e tantas outras mais. Perguntas angustiantes, como você muito bem mencionou.

Mas, francamente, não são as perguntas que me angustiam e sim as respostas absurdas que nossa teologia dá para cada uma delas (e que deformam o caráter de Deus), bem como o silêncio de seminaristas que deveriam dizer o que pensam mas preferem se calar. Isso me angustia mais que qualquer outra coisa...

Agradeço pela participação e por sua sinceridade.

Um forte abraço,
no amor de Jesus.

HP disse...

Pastor Alan,

Compreendo teu ponto quanto à Teologia e a ineficácia dela em muitas respostas.

Dou um exemplo que muitos "reformados" defendem com unhas-e-dentes que para mim não consigo aceitar: A contemporaneidade dos dons.

Compreendo que ao longo das Escrituras houve momentos de operações de Deus que cessaram, como por exemplo a Criação. Deus tem poder para criar novos mundos, se Ele quiser, mas parece, tendo em luz as Escrituras, que esta parte cessou. Compreendo esta parte e acho sensato, mas para mim fica difícil “engessar” Deus caso Ele queira fazer um milagre, seja em cura, seja em falar línguas estranhas (para edificação própria ou da igreja mediante interpretação da mesma), seja até mesmo profecias como aconteceu entre Ágabo e Paulo, aonde o primeiro disse o que o segundo enfrentaria ao chegar em Jerusalém.

Mas com o passar do tempo entendi que o principal dom é o AMOR, que frequentemente é preterido aos dons mais “eloquentes” se assim posso dizer.

Confesso que fui sincero nas respostas que te enviei. Talvez elas possam soar como "más", "maniqueístas" e "cruéis", mas confesso que são elas que fecham aquilo que chamo de “minha linha de raciocínio” (extremamente limitada e porque não 'em construção' diante de Deus), mas, mesmo assim, é esta "linha de raciocínio" que me tem feito amá-Lo cada vez mais, sabendo que Ele me amou primeiro e chorar diante do sacrifício feito por Cristo na Cruz.

Sei que Deus confunde sábios e entendidos, sei que muitas das minhas posições não são conclusivas, pois são incompletas e questionáveis, mas peço a Deus que me ajude a compreender e crescer na verdade.
Costumo dizer que para quem cresceu pensando que “conquistaria a salvação mediante as obras que eu fizesse”, como fui ensinado de pequeno na denominação que frequento, compreender que Graça é algo imerecido, confesso que só foi possível mediante a misericórdia única de Deus.

Orarei sim para que Deus te use cada vez mais na Terra, como mensageiro das boas novas, colocando em tua boca a verdade para converter o homem pecador, fazendo-os abandonar os seus pecados, crendo em Jesus como autor e consumador da fé.

Abraço fraterno.

Henrique


PS: Te deixo um convite, caso queira visitar o meu blog: http://blogdoirlandes.blogspot.com/

Unknown disse...

Querido irmão Alan. Vamos partir do principio em que nosso querido Mestre Jesus nos afirmou, quando veio até nós e afirmou: ..."Conhecereis a verdade e Ela vos libertará"... A Lei de Deus que é de Amor, misericórdia, sabedoria e justiça ao infinito jamais faria descaso de um único filho na sua criação, em todo o Universo vastíssimo. Ele, a causa primeira de tudo o que existe não poderia cometer erros e nem fazer diferentes, pois deixaria de ser justo e bom. A palavra Deus, quer dizer perfeição. Não existem palavras Terrenas até o momento de nossa pequenez evolutiva para explicarmos Deus sem que cometamos erros de interpretação. O Livro os "Vedas", um dos mais antigos registros da história religiosa, já trazia O "ABC" espiritual para a nossa infância evolutiva e assim mandou vários profetas para preparar o terreno e quando já tínhamos amadurecido um pouquinho e aceitamos a ideia de que existia um Soberano Pai e não deuses como o fazíamos, nos mandou ao Grande Mestre da Humanidade Terrena. Mas Jesus disse a seus discípulos: ... "Nem tudo posso dizer agora. Se vos falo por parábolas é porque ainda sois crianças espirituais, mas um dia enviarei o Consolador para vos aclarar estas coisas"...
O questionamento é saudável, pois quando começamos a fazer perguntas é porque já estamos em condições de aumentar nossa capacidade de ver um pouco mais, então percebemos que DEUS é Amor e nos manda para a escola evolutiva com o único propósito, o de corrigirmos as nossas imperfeições e é só passando pelas dificuldades que podemos entender, aprender e não mais repetir. Você bem o disse: "Ninguém pode tapar o Sol com a peneira"... Deus colocou a Sua Lei, a Lei do Amor, em nossa consciência. Por isso até os índios na floresta que nunca tiveram livros sabem disso e reverenciam a Deus e a seus antepassados. Quem lhes ensinou? Eles tem seu Pajé Espiritual que afirma que a alma sobrevive ao corpo físico. Jesus voltou ao terceiro dia, para se mostrar? Ou para afirmar tudo que tinha ensinado era verdadeiro. ..."Meu reino não é deste mundo"... Se veio preparar o caminho, a que mundo se referia? Se profetas vieram antes dele, para anunciar que o grande Mestre no futuro viria, de onde vieram? Da pátria Espiritual, que é de onde viemos e para onde voltaremos.
Que verdade é essa que Jesus propõe, quando diz que ela nos libertará? É a verdade de como realmente somos, ou seja , sinceros, bons, egoístas, ciumentos, assassinos, ladroes, piedosos, caridosos? etc...etc... Que importa a filosofia espiritual a que nos apeguemos, pois todas elas são sagradas, o homem é que interpreta mal ou desvirtua os ensinamentos sagrados de acordo com as suas imperfeições egoísticas e egocêntricas, achando-se dono da sua Verdade e que aquele que não "O" seguir não será protegido de Deus. ..."Cegos que conduzem cegos, ambos caem no fosso, não disse Jesus?
Todos nós temos que questionar sim!!! Deus é Amor e quer que façamos esta busca interior, pois só depois de vermos a nossa realidade, de como sou, é que poderei seguir avante, na certeza absoluta de que Jesus é o Guia seguro para sermos felizes na paz de espírito e na trilha da Luz que deverá me tirar das trevas da ignorância. Que a doce e serena Paz de nosso amado Mestre Jesus nos ilumine aos corações de todos da família humana, nossos queridos irmãos de caminhada. Agradeço a Deus todos os dias por mais um dia de oportunidades e de aprendizado, o maior objetivo de estarmos aqui. desenvolver o nosso intimo, no amor, na humildade e na caridade. Bjs

Pr. Fábio Scofield disse...

Olá meu amado amigo e Pr. Alan Caprilles, Graça e Paz......

Faz muito tempo que não comento nada sobre as suas publicações, mais isto não quer dizer que não lei as suas postagens, leio sim, e tenho acompanhado com muita atenção as suas mudanças já desde algum tempo,confesso que em algum momento fiquei apreensivo, porque não dizer, "preocupado", pois o amado falava em buscar a verdade e quando a encontra-se certamente iria te afastar de uma grande maioria dos que hoje te cercam. Creio que isto será inevitável,visto que a verdade confronta o ser em todos os seus aspectos, até nós mesmos seremos confrontados, e certamente,o nosso "Eu", as nossas convicções, as nossas crenças mais sagradas, até mesmo a forma que aprendemos como definir e crer no nosso Deus e interpretar sua palavra, será mudado no momento em que tivermos a coragem de conhecer a verdade.Nesta oportunidade, não estarei comentando ou tentado responder nenhuma das questões apresentada nesta postagem,porém, creio, que todas elas merecem uma resposta coerente e satisfatória.Quando nos propomos a questionar o agir de Deus ou a inerrância e autoridade da sua palavra, logo somos atemorizados com a Sua Soberania, isto é verdade, precisamos temer a Soberania do Criador do céus e da terra, nosso Deus e Pai celestial; temos até alguns texto que nos ajuda compreender este perigo. (Jô-38:1-9 -Jô-42:1-6 -Hc-1:1-17 -Hc-2:1-3). Porém, Deus nunca disse que não poderíamos questionar o que não compreendemos ou não temos capacidade de aceitar, por isso, encontramos nas Sagradas Escrituras os termos "Arguir e Arrazoar". A Bíblia é um objeto de estudo, visto que nela encontramos as narrativas da manifestação de Deus na história da humanidade.Porém, eu creio que, toda essa controversa entre a verdade, e o que aprendemos como verdade, está na forma errada em que lemos e interpretamos as Sagradas Escrituras. Creia, amado pastor, ela é a verdade, ela tem as respostas que tanto procuramos, porém, precisamos ter: temor, fé, perseverança e compromisso com a verdade, só assim, ela nós será revelada, de forma progressiva e gradativa.(Mt-11:25-27 -Jo-14:23-31).Lembre-se, sempre, ela foi inspirada aos homens santos para escreve-la, da mesma forma, também, será iluminada a homens santos para compreende-las.(2Tm-2:1,2 -2Tm-3:16,17 - 2Pe-3:15-18).Amado Pr. Alan,sou solidário com as suas indagações, e,se lhe serve de consolo;tenho as Escrituras Sagradas, como a infalível palavra de Deus, temo a sua soberania, creio na sua inspiração e revelação aos homens. Porém, compreendo que ela é tanto divina, quanto humana, por isso não aceito a sua inerrância.Vejo que, a revelação e iluminação do Espírito Santo é perfeita e inerrante, porém, não posso garantir o mesmo dos homens escolhidos para escreve-la, certamento, ainda que escolhidos pelo Espírito Santos, como homens são sujeitos a erros. Da mesma forma somos nós, ainda que escolhidos para interpreta-la pela fé iluminada pelo mesmo Espírito, somos incapacitados de compreende-la com perfeição. Porém, o que precisamos é tirar desta imperfeição, tudo o que aprendemos como crença, e então iremos aos poucos encontrando a verdade tão procurada. Deixo-lhe um versículo para incentiva-lo: "Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova.(Rm-14:22)Um dia, se Deus me permitir, também estarei escrevendo sobre o que creio, e o que não creio. Fica na Paz.....

claudiopimenta disse...

tem algumas perguntas que apesar de termos respostas fica uma situaçao complicada de responder vejamos o caso da natureza pecaminosa

fico quase sem aceitar ofato de adao ter pecado com eva e nos que nao estivemos la nao participamos de nada pagarmos um preço por algo que aconteceu tempos atras e nao participamos

bruno henrique de abreu disse...

Olá Alan, a Paz!

Vi as perguntas, e confesso que não me deixaram desconfortável, afinal, "Não fará justiça o Juiz de toda a terra?" (Genêsis 18:25). Mesmo assim, vou procurar aqui responder algumas das perguntas.

Primeiro, essa aqui: "- Se toda pessoa nasce em pecado, perdida (como muitos cristãos ensinam), por que Deus permite a morte de bebês? Haverá choro de bebês no inferno?"

Jesus disse: "Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus." Marcos 10:14. Com isso é muito claro, que bebês estarão no Reino de Deus.

Antes de prosseguir com outras respostas, preciso falar que ignoro por completo a teologia reformada, considero na verdade, uma grande deturpação das escrituras, que não se adequam ao Cristianismo bíblico e histórico. Como disse Orígeres no século III: "Certos homens (os hereges) que sustentam idéias contrárias, interpretam mal estas passagens. Eles destroem o Livre arbítrio ao introduzir (a ideia) de uma natureza pecaminosa incapaz de salvação, e sustentam que outros podem ser salvos de tal forma que não podem perder a salvação. Orígenes (225 d.C.)"

Jesus ao iniciar sua pregação, falou duas coisas 1- Arrependa-se e 2- Creia no Evangelho. Muitos falam em crer, mas esquecem do arrependimento verdadeiro, que abandona a vida de pecado. Falam muito de Ef 2.8-9, mas esquecem de terminar o parágrafo e ler o verso 10, que diz que somos criados em Cristo para boas obras. Falar que crê, e ignorar as obras que isso têm que gerar em nós não é graça, mas é zombar de Deus, e de Deus não se zomba, pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará.
8 Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna. (Gálatas 6.7-8)

No mais, se me permitir, não quero ser cansativo, a verdadeira graça de Deus produz o que está descrito em Tito 2.11-12: "Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente". A verdadeira graça de Deus nos ensina a caminhar em retidão, o Senhor não permite que sejamos tentados acima das nossas forças, de forma que não há desculpa para o pecado, há sim (e muita) é falta de temor de Deus, que havia de sobra entre os primeiros cristãos (ver At 2.43).

Por fim, é incrível como muitos desprezam todos os versículos que falam que Jesus retribuirá a cada um segundo as suas obras (Ap22.12 2.23 20.23 Mt16:27 7.21 25:33-35 Rm2.6-7 1Pe1.17 Gl6.7-8 2Co11.25 Hb4.11 Tg2.24 2Tm2.12 etc)

Agora já da pra responder mais uma questão levantada:

"Se somos salvos por um assentimento intelectual da fé (confessionalismo), o que será da alma de alguém com retardamento mental, incapaz de compreender as doutrinas de uma religião? Tais pessoas estão condenadas a perecer no inferno?"

Primeiramente, tal ideia que somos salvos simplesmente por um assentimento intelectual é falso, até os demônios creem e tremem. (Tg 2.19). Segundo, os retardados mentais que não têm sequer a escolha de seguir a Cristo por não ter compreensão, são como os pequeninos. Deus não faz acepção de pessoas. Claro que creio no poder de Deus de se revelar a uma pessoa nessa situação ou até mesmo de curá-la desse estado, mas falo de uma situação hipotética.

"aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou." 1 João 2.6

"Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado." 1 João 1:9
Repare que somos purificados enquanto "andamos na luz". O importante para Deus é a nossa caminhada, e não um momento apenas que pedimos perdão ou afirmamos crer.


bruno henrique de abreu disse...

Indo para outra questão: "- Deus permitiria que a salvação da alma de uma pessoa dependesse de outra, ou seja, de alguém que precise chegar a tempo de falar de Jesus para ela? E se não chegar a tempo? E se evangelizar erradamente, como costuma acontecer?"

Nesse ponto, a história de Filipe e o eunuco é bastante ilustrativa. Deus envia Filipe para o deserto, ele não sabe para onde ta indo nem o que vai encontrar, no entanto se depara com o eunuco justamente lendo a passagem de Isaías falando sobre Cristo e o eunuco crê. Em seguida ele é arrebatado e para em outro lugar pregando o evangelho. Parece que onde estiver um coração disposto a crer e seguir a Cristo, Deus abrirá as portas para que a palavra seja pregada. "Porque os caminhos do homem estão perante os olhos do SENHOR, e ele considera todas as suas veredas." Provérbios 5:21

No mais, quanto a muitos que buscam a Deus, porém sem entendimento, ou que são evangelizados com muitos enganos, a resposta é: "Se alguém quiser fazer a vontade dele [do Pai], conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se eu falo por mim mesmo." João 7.17


"- Como poderei ser feliz no céu sabendo que há pessoas sofrendo no inferno?"

já sou feliz hoje, mesmo sabendo que haverá muitas pessoas no inferno. Não quero parecer impiedoso, Deus não se alegra com a morte do perverso, mas antes que se arrependa e creia. Ele enviou seu Filho enquanto estávamos desgarrados cada um pelo seu caminho, a sua graça nos ensina a vida no presente século sensata, justa e piedosamente, Ele ainda, por sua bondade e misericórdia não permite que sejamos tentados além das nossas forças. Ora, como me entristecer diante desses fatos? Me entristeço sim, pelo fato de tantos rejeitarem o Salvador e fazerem Deus de mentiroso (1Jo 5.10)

O mesmo Deus que fez tudo isso por nós, um dia virá, e então retribuirá a cada um segundo as suas obras.

"Não fará justiça o Juiz de toda a terra?" (Genêsis 18:25)

bruno henrique de abreu disse...

Quanto a primeira pergunta. Nos primeiros séculos depois de Cristo, muitos também perguntavam por que o Cristianismo surgiu naquele tempo e não antes ou depois, para o que um dos cristãos primitivos respondeu:


"Quando Deus dispôs todo em si mesmo juntamente com seu Filho, no tempo passado,
ele permitiu que nós, conforme a nossa vontade, nos deixássemos arrastar por nossos
impulsos desordenados, levados por prazeres e concupiscências. Ele não se comprazia
com os nossos pecados, mas também os suportava. Também não aprovava aquele tempo
de injustiça, mas preparava o tempo atual de justiça, para que nos convencêssemos de
que naquele tempo, por causa de nossas obras, éramos indignos da vida, e agora, só pela
bondade de Deus, somos dignos dela. Também para que ficasse claro que por nossas
forças era impossível entrar no Reino de Deus, e que somente pelo seu poder nos
tornamos capazes disso. Quando a nossa injustiça chegou ao máximo e ficou claro que a
única retribuição que poderiam esperar era castigo e morte, chegou o tempo que Deus
estabelecera para manifestar a sua bondade e o seu poder. Oh imensa bondade e amor de
Deus! Ele não nos odiou, não nos rejeitou, nem guardou ressentimento contra nós. Pelo
contrário, mostrou-se paciente e nos suportou. Com, misericórdia tomou para si os
nossos pecados e enviou o seu Filho para nos resgatar: o santo pelos ímpios, o inocente
pelos maus, o justo pelos injustos, o incorruptível pelos corruptíveis, o imortal pelos
mortais. De fato, que outra coisa poderia cobrir nossos pecados, senão a sua justiça? Por
meio de quem poderíamos ter sido justificados nós, injustos e ímpios, a não ser unicamente pelo Filho de Deus? Oh doce troca, oh obra insondável, oh inesperados
benefícios! A injustiça de muito é reparada por um só justo, e a justiça de um só torna
justos muitos outros. Ele antes nos convenceu da impotência da nossa natureza para ter
a vida; agora mostra-nos o salvador capaz de salvar até mesmo o impossível. Com essas
duas coisas, ele quis que confiássemos na sua bondade e considerássemos nosso
sustentador, pai, mestre, conselheiro, médico, inteligência, luz, homem, glória, força,
vida, sem preocupações com a roupa e o alimento."

Alan Capriles disse...

Querido amigo e pastor Fábio Scofield

Fico feliz em saber que ainda esteja lendo minhas postagens. Acredito que sejam poucos (risos)!

O amado comentou sobre ter ficado apreensivo quando revelei, numa postagem anterior, que minha busca pela verdade poderia afastar grande parte das pessoas que me cercam. Aproveito para esclarecer que isso não é algo que eu queira, mas que certamente ocorrerá (e que talvez já esteja ocorrendo). No que depender de mim pretendo continuar dialogando com todos, mas infelizmente existem pessoas que não aceitam ser questionadas e, ao invés de refletirem comigo, irão preferir se afastar de mim. Fico feliz que não seja o seu caso!

O fato é que muitos cristãos desprezam os escritos de pessoas pobres e desconhecidas como eu, esquecendo-se que o Pai escolheu aos pequeninos para revelar seus segredos mais íntimos (Mt 11:25-27) e que o Espírito sopra onde quer e pode nos ensinar todas as coisas (João 14:23-31). Talvez nosso Pai esteja nos revelando algo maravilhoso, mas que é totalmente oculto de nossos irmãos por causa do preconceito que neles há.

Preciso confessar que sorri ao perceber que o amado teme pela minha fé nas Escrituras: "Creia, amado pastor, ela é a verdade, ela tem as respostas que tanto procuramos... ela foi inspirada aos homens santos para escreve-la..." Achei graça porque nesse mesmo artigo mencionei que minhas indagações poderiam ser interpretadas como evidência de heresia. Mas não é o caso. Estou apenas sendo sincero e abrindo meu coração. Todo ser pensante já fez essas mesmas perguntas que levantei; principalmente os cristãos, que recebem respostas insatisfatórias para cada uma delas. Melhor seria se nossos professores de teologia fossem mais humildes e dissessem "não sei a resposta", do que deformar o caráter de Deus com respostas absurdas.

Agradeço muito por seus conselhos e por seu carinho, revelado no extenso e cuidadoso comentário. Deus sabe que o amo e que muito lhe admiro, em todos os sentidos.

Um forte abraço
no amor de Jesus!

Hi7M4N disse...

Amado Pr. Alan,peço-lhe perdão, talvez eu tenha me expressado mal ao fazer esta citação."Creia, amado pastor, ela é a verdade, ela tem as respostas que tanto procuramos... ela foi inspirada aos homens santos para escreve-la".Em momento algum eu duvidei da sua fé na Escrituras; o que quis dizer é, que todas as nossas respostas estão nela, o que precisamos fazer é estuda-las fora das orientações religiosas ou teológicas, porque eles como o Senhor mesmo disse em seu texto, estão aprisionados por seus dogmas e não abrem mão para conhecerem a verdade.Até mesmo porque, eles não se interessam pela verdade visto que não da "lucro" RsRsRs. A Bíblia contem verdades que a teologia nunca se interessou em revelar. Um grande abraço...

Anônimo disse...

Alan,


- E quanto aos trilhões de seres humanos que morreram em outra religião, ou sem religião, por que jamais ouviram falar de Jesus? Não há qualquer possibilidade de salvação para eles?

Acredito que eles serão julgados pelas obras praticadas aqui na Terra.

Alan Capriles disse...

Prezado Anônimo

"Acredito que eles serão julgados pelas obras praticadas aqui na Terra."

Dizer isso é o mesmo que afirmar que estarão todos perdidos, pois a teologia ortodoxa afirma que ninguém é salvo por obras.

Aproveito para pedir que todos se identifiquem, ainda que seja por meio de um pseudônimo. Não escrevam como anônimos. Vamos dialogar!

Val disse...

Eu acredito que a Biblia é a Palavra de Deus. Acredito que a interpretaçao dessa Palavra nos é dada por Fé através do Espírito Santo. Acredito que Jesus é Deus, antes mesmo da criação do mundo.Acredito na aliança de Deus com Abraão e que os que morreram antes do cumprimento daquele aliança morreram na Fé. Acredito na salvação pessoal e que nao nos cabe questionar se um ou outro foi salvo, todos nos apresentaremos diante do trono do Deus Vivo.
Precisava fazer essa minha declaração de Fé!