quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

UM PRESENTE PARA JESUS

(Peça Natalina)
Por Alan Capriles

As luzes de uma humilde árvore de natal iluminam o quarto escuro. Joana, uma pobre viúva, dorme profundamente...

O Senhor Jesus fala com ela, em sonho.

VOZ DO SENHOR: Joana! Joana! Sei o quanto tu me amas e desejas retribuir a mim pela tua salvação. Sendo assim, irei visitar-te nesta véspera de Natal. Terás a oportunidade de retribuir o amor que tenho por ti. Aceitarei de ti o presente que me deres...

(Joana acorda, assustada. Senta-se na cama)

JOANA: Meu Deus!... Jesus virá me visitar. Preciso lhe dar o melhor presente possível!

(Joana se levanta e corre até sua pequena oficina de costura)

JOANA: Vou costurar uma linda calça e blusa social como presente para o Senhor!

(Joana escolhe o tecido)

JOANA: Este tecido é o mais caro e bonito. Farei com ele uma linda roupa para Jesus!

(Joana joga o tecido sobre a mesa e, enquanto procura sua régua e a tesoura, ela pensa em voz alta)

JOANA: Preciso começar agora mesmo... Hoje já é véspera de Natal!

(O dia começa cedo para Joana. O relógio na parede marca seis e quinze da manhã... e logo, nove horas... Até que, finalmente, quinze para meio dia ouve-se o som da campainha)

JOANA: Será que já é o Senhor? Tão cedo? Eu nem terminei com a calça ainda...

(Joana corre até o portão. Ela se depara com um homem mal vestido)

HOMEM: Minha senhora... Estou procurando emprego. Será que a senhora está precisando de alguém pra capinar seu quintal?

JOANA: Sinto muito. Sou viúva e não tenho dinheiro para poder lhe contratar.

HOMEM: E a senhora sabe de alguém? Estou desesperado por algum serviço... Desde anteontem não como nada... Estou morrendo de fome...

JOANA: Não sei, não... Mas espere aí, que eu já volto.

(Joana volta trazendo um prato de comida)

JOANA: Este seria meu almoço. Mas hoje eu não tenho tempo nem para comer. Por isso, eu prefiro dar para o senhor.

HOMEM: Muito obrigado, dona! Pode deixar que eu como aqui mesmo...

JOANA: Desculpa não lhe convidar pra entrar... Estou muito ocupada trabalhando...

HOMEM: Não tem problema dona... Deus lhe abençoe!

(Joana corre para sua oficina de costura. Ela levanta a calça que está costurando e fala consigo mesma)

JOANA: A calça está quase pronta! Fiz bem comprida, porque Jesus deve ser alto! Afinal de contas, Deus é grande! Preciso me apressar, ainda falta fazer a camisa!

(Os ponteiros do relógio apontam o meio-dia... três e meia da tarde... cinco e quarenta e cinco... A campainha toca novamente)

JOANA: Meu Deus! Agora deve ser o Senhor! Mas eu ainda não terminei a camisa!

(Joana corre até o portão. Lá está uma mulher com um bebê no colo)

MULHER: Boa tarde, dona! Será que a senhora teria um pouco de leite pro meu bebê?

JOANA: Ai... Pensei que fosse outra pessoa... Estou cheia de serviço pra fazer...

MULHER: Por favor, dona... Meu filho precisa amamentar, mas meu leite secou e não tenho dinheiro pra comprar leite.

JOANA: Mas o leite pra ele precisa ser especial...

MULHER: Eu sei, mas não tenho dinheiro pra comprar nada... Muito menos leite especial...

JOANA: Eu também não... Mas já sei o que vou fazer... Espere aqui! Eu vou até a mercearia do seu Joaquim comprar fiado e já volto.

(Joana deixa a mulher sentada no quintal com seu bebê e segue pela rua, até dobrar a esquina)

JOAQUIM: Dona Joana! Feliz Natal! Eu já estou fechando a venda!

JOANA: Feliz Natal, seu Joaquim. Eu preciso comprar leite em pó para um bebê de seis meses.

JOAQUIM: É pra algum parente?

JOANA: Não, mas é como se fosse...

JOAQUIM: Aqui está!

JOANA: Eu vou levar mais um. E anota no caderninho por favor!

JOAQUIM: A senhora manda, dona Joana!

(Joana caminha apressada ao encontro da mulher e seu bebê)

JOANA: Aqui está. Aí tem duas latas de leite especial. Você tem onde preparar o leite?

MULHER: Tenho sim, senhora. Muito obrigada, Deus lhe pague!

(Joana entra apressada na oficina de costura e volta a fazer seu trabalho)

JOANA: Já está anoitecendo... Daqui a pouco deve chegar o meu Senhor Jesus. Não posso perder tempo com mais ninguém!

(O relógio marca dezoito horas e trinta... dezenove e quarenta e cinco... vinte e uma horas...)

JOANA: Pronto! Terminei minha obra prima! A melhor calça e camisa social que já fiz até hoje! Tenho certeza que Jesus irá gostar!

(Toca a campainha.)

JOANA: Agora deve ser o meu Senhor Jesus! Só pode ser! Ele sabe de todas as coisas e chegou exatamente na hora em que terminei de fazer seu presente!

(Joana corre até o portão. Depara-se com um mendigo, sem camisa e enrolado numa toalha suja)

MENDIGO: Dona, me perdoe... Eu sou morador de rua e acabaram de me assaltar...

JOANA: Assaltar? Mas quem roubaria um morador de rua?

MENDIGO: Foram cinco playboizinhos, arruaceiros. Eu estava dormindo embaixo do viaduto, sozinho. Eles pararam o carro na minha frente. Desceram, tiraram minha camisa, minha calça, ficaram zoando de mim e depois atearam fogo na minha roupa. Queriam botar fogo em mim também, mas eu consegui fugir...

JOANA: Meu Deus, que horror! Logo hoje, véspera de Natal.

MENDIGO: Dona, eu sei que é véspera de Natal, mas será que a senhora teria pelo menos uma calça usada que eu possa vestir? Eu vi a placa aqui na porta da sua casa escrito “costureira”...

JOANA: O Senhor sabe ler?!

MENDIGO: Sei, sim. Eu sou formado em engenharia, dona... Não estou na rua porque quero, não... Fiquei desempregado... Tive que vender minhas coisas... Arrisquei no jogo e perdi tudo... Depois, minha esposa me deixou... Levou embora meus filhos... Não tenho irmãos... Meus pais já morreram... Não tenho mais ninguém... Agora vivo do favor dos outros... Se a senhora puder me ajudar...

JOANA: Espere aí que eu vou procurar alguma coisa que lhe sirva...

(Joana começa a revirar as roupas em sua oficina. Enquanto procura, ela pensa em voz alta)

JOANA: Acho que nenhuma vai servir. Ele é muito alto. Mas vamos tentar...

(Joana vai até o mendigo, com uma calça e duas camisas. Ela estende primeiro a calça para o mendigo)

JOANA: Coloque na sua frente, pra ver se vai caber.

(O mendigo coloca a calça na frente do corpo, mas sorri, dizendo)

MENDIGO: Ih... Não vai dar não, dona. Não adianta nem experimentar.

JOANA: E a camisa?

(O mendigo tenta vestir a camisa... A manga da camisa nem sequer entra em seu braço comprido)

MENDIGO: Pior ainda, dona! Que pena...

(O mendigo devolve as roupas)

MENDIGO: Mas não tem problema, não. Eu posso esperar escondido, até amanhecer o dia. É que eu não queria passar a noite de Natal assim, sem roupa. Mas eu sou muito alto... Mesmo assim, obrigado.

(O mendigo começa a ir embora. Joana fica com lágrima nos olhos, vendo aquele pobre homem ir embora naquela situação. De repente, grita)

JOANA: Moço! Espere aí!

(O mendigo olha para trás. Joana corre para a oficina e pega as roupas que havia feito para presentear Jesus)

JOANA: Tenho certeza que o meu Senhor Jesus vai entender...

(Joana volta, com as roupas e uma sacola, entregando tudo ao mendigo)

JOANA: Tenho certeza que isso vai dar no senhor.

MENDIGO: Mas dona, estas roupas estão novinhas!

JOANA: Mas são do seu tamanho. Tenho certeza que vão dar. E ainda tem um par de sapatos. Eram do meu falecido marido. Se você não se importar...

MENDIGO: Que é isso, dona... Estou muito feliz. Com elas eu vou ficar tão bonito que vou até conseguir um emprego!

JOANA: Tenho certeza que sim. Deus lhe abençoe!

MENDIGO: E que Deus lhe abençoe muito mais ainda, pela sua compaixão e caridade. Feliz Natal!

JOANA: Feliz Natal pro senhor também!

(Joana entra sorridente em seu quarto, mas logo seu semblante fica sério e triste. Ela se ajoelha diante da cama e começa a chorar, orando ao Senhor, com a face entre as mãos)

JOANA: Me perdoe, Senhor! Me perdoe Jesus! Eu dei o Seu presente!... E quando o Senhor chegar em minha casa eu não terei mais nada para lhe dar...

VOZ DO SENHOR:

Joana! Joana! Tu já me destes. Por três vezes estive em tua casa hoje e por três vezes tu me presenteaste:
Tive fome... e me destes de comer.
Tive sede... e me destes de beber.
Estava nu... e me vestistes.
Foi a mim que fizestes.
Por Alan Capriles

"E, tudo quanto fizerdes,
fazei-o de todo o coração,
como ao Senhor e não aos homens"
(Colossences 3:23)

10 comentários:

Alan Capriles disse...

Os jovens de nossa igreja estão filmando esta estória que, pela misericórdia de Deus, escrevi. Em breve estará no youtube, se Deus assim nos permitir.

Publiquei aqui para que outras igrejas possam adaptá-la como peça teatral. Espero que edifique muitas vidas.

A Deus seja a glória!

Terezinha disse...

Nossa! Como essa estória falou comigo forte!
O Senhor te abençoe,

Diego Lopes disse...

Olá, Alan!
Seu comentário completa o meu post!
Muito bom saber que alguém se importa com os perdidos, que ame o próximo! Meu próximo post falará sobre isso...

Quando ao que escreveu aqui, gostaria muito de ver como seria esta peça... Vou esperar pra ver no Youtube! Muito boa peça!

Forte abraço, na paz daquEle que é o único digno de receber os frutos daquilo que Ele mesmo plantou em nós!

Alan Capriles disse...

Que bom, Diego!

Quanto a peça, nós estamos filmando mesmo, tipo "curta-metragem", em lugares reais (ou seja, não e num palco). Somos totalmente amadores, por isso contamos com a oração de amigos como você.

Assim que estiver no youtube eu lhe aviso.

Um forte abraço, na paz do Senhor!

Anônimo disse...

Adorei a ideia, bem legal. Enquanto lia já imaginava como será!

Não pude ir esta semana, mas a partir da semana que vem estarei lá! :)


Abraço!

Amanda

Cláudio Nunes Horácio disse...

Alan, copiei seu post e publiquei no meu blog com um testemunho pessoal abaixo do seu texto. Fiquei tocadíssimo com seu texto, até chorei aquele choro que só os "engenheiros" conseguem chorar. Na graça, no amor e na paz do Evangelho puro e simples.

disse...

Alan, muito bom seu texto, me lembrei de filme, se não me engano o nome é (O quarto Sábio) você o assistiu?? Adorei. Parabéns.

Alan Capriles disse...

Sim, Rô! Lembro-me deste filme. O nome é esse mesmo, O Quarto Sábio. Enquanto eu escrevia essa estória também lembrei dele,porque a mensagem é semelhante: "Jesus se identifica com os desamparados".
Se queremos presentear o Senhor não há outra maneira, senão essa, praticar o amor ao próximo. Naquele grande Dia ele dirá: "Foi a mim que fizestes".

Obrigado pela força!
Deus lhe abençoe cada dia mais!

René disse...

Alan, meu amigo dramaturgo,

É uma ótima iniciativa! O teatro é uma forma eficiente e agradável de pregação da Palavra, ainda mais usando as ferramentas fornecidas pela tecnologia, como o Youtube. E este texto é a Palavra do Senhor purinha!

Abração e continue na Paz!

Aldo Santos disse...

A paz e graça do senhor Jesus,Bênção ...

Parabéns pelo seu blog. é mais um instrumento para levarmos a palavra de Deus aos leigos.

Estou seguindo o seu blog, se quiser seguir o meu também, fique à vontade.
Se quiser trocar banner formando parceria, é só me avisar.

Fk na santa paz de Jesus. Deus é conosco!

www.oguardadeisrael.blogspot.com/